10 de fevereiro de 2011

County Clare, Irlanda

Visitar a Irlanda é visitar um país repleto de tradições e paisagens de tirar o fôlego.
Aterrámos em Shannon, no Condado de Clare ou County Clare como é conhecido. Alugámos carro e como ainda era muito cedo decidimos primeiro degustar um verdadeiro Full Irish Breakfast acompanhado de óptimas torradas e café com leite, tudo como manda a tradição.


Esta viagem foi bem organizada e como tal, antes de a fazermos, já tínhamos uma lista dos locais a visitar.
A nossa primeira paragem foi em Ennistymon, uma pequena vila famosa pelas suas cascatas, pela fachada das lojas de artesanato e pubs onde a música celta não poderia faltar.
O coração de Ennistymon é atravessado pelo magnífico rio Cullenagh, excelente para a pesca do salmão especialmente depois de 1961, ano em que foi criada no rio uma passagem com o objectivo de permitir a migração do salmão rio acima para se reproduzir.


A paragem seguinte foi em Lehinch, para apreciar o pouco que ainda resta do Castelo Dough. Foi fundado pelo famoso clã Irlandês O'Connors em 1306 e apesar das marcas de inúmeros momentos históricos por que passou, este castelo foi salvo de uma demolição em 1654 por um oficial de Cromwell. As ruínas ali hoje presentes não são resultado de guerras nem desentendimentos, mas resultado de fundações pobres no areal.


Lehinch tem uma das estâncias balneares mais populares da Irlanda, oferecendo aos visitantes uma extensa praia de areal dourado e paisagens espectaculares.
Ao longo dos anos tem vindo a ser aclamada pelas óptimas condições disponíveis para a prática de surf.

Muito próximo do Castelo Dough fica o Clube de Golfe de Lehinch considerado por muitos um dos principais campos de golfe da Irlanda.


Grande destaque merece também a ponte histórica que separa a vila marítima de Lehinch da vila marítima de Liscannor, famosa pela dedicação que os seus habitantes locais dão à pesca à linha e pelo orgulho que têm pela pequena vila.


O orgulho dos habitantes de Liscannor deve-se também ao facto de John Philip Holand, aí ter nascido em 1840, criador do primeiro submarino capaz de se deslocar por uma distância considerável combinando motores eléctricos para viagens submersas com motores a gasolina para uso na superfície.


Esta zona onde a paisagem jamais será esquecida, fervilha de actividades ao ar livre como surf, pesca à linha, golfe, passeios de barco ou a cavalo, ciclismo e caminhadas.
Sem dúvida que a Baía de Liscannor tem imenso para oferecer a todos os turistas assim como aos sortudos habitantes locais.

Caso decida visitar o Condado de Clare aconselhamos vivamente o aluguer de carro, uma vez que este é fundamental para poder visitar determinados locais desta zona e do resto da Irlanda.
Deixamos aqui as coordenadas GPS caso não queira perder a Baía de Liscannor:
Latitude: 52° 55' 14" N (52.921)
Longitude: 9° 25' 26" W (-9.424)


A apenas 5 quilómetros fica a mais espectacular atracção natural de todo o Condado de Clare, as famosas falésias Cliffs of Moher click.

Coordenadas GPS:
Latitude: 52.9714578
Longitude: -9.4247540

As falésias têm 214 metros de altura no ponto mais alto e uma faixa de oito quilómetros sobre o Oceano Atlântico.
Estas possuem uma das vistas mais espectaculares que já tivemos oportunidade de apreciar.


Entrada: 6 Euros por pessoa
O bilhete de entrada para visitar as falésias dá-lhe acesso à exposição Atlantic Edge Exhibition, que conta a história dos Cliffs através de uma fascinante viagem real interactiva do ponto de vista de um pássaro.

video
Como não estava sol não subimos à Torre O'Brien, no entanto é a partir do seu terraço que se consegue uma melhor perspectiva não só dos Cliffs of Moher mas também de toda envolvência daquele lugar místico.
Apesar da Torre parecer recente, esta já conta com mais de 175 anos, pois foi construída pelo seu então senhorio, Cornelius O' Brien, em 1835.


Desde 2007 que os Cliffs of Moher têm vindo a receber inúmeros prémios e nomeações.
A última nomeação foi em 2010, pela Lonely Planet como sendo um dos top 10 lugares do mundo para passeios de bicicleta.


Não deixe de visitar o quase invisível centro totalmente dedicado às falésias.
Do exterior parece apenas uma "caverna" com portas de vidro, no entanto este espaço é muito mais que uma "caverna".
O edifício em si já merece uma visita, pois apresenta uma estrutura que minimiza o impacto visual sobre esta localização fabulosa e usa uma série de recursos energéticos amigos do ambiente.


Em dias de sol podem ver-se os vales e montanhas de Connemara assim como as Ilhas Aran ou Aran Islands, famosas por só se poder andar a pé, de bicicleta, de burro ou a cavalo.
Infelizmente não tivemos sorte de estar sol, mas de qualquer forma fica aqui esta foto de uma das três Ilhas, bem distante.
Caso visite as Ilhas poderá aí alugar bicicleta.
Para lá chegar basta apanhar um barco na aldeia de Doolin, de onde partem cruzeiros entre os meses de Abril e Outubro.

Cruzeiros para as Ilhas Aran e para os Cliffs of Moher click


Outro lugar incrível é o Burren, uma região com mais de 100 quilómetros quadrados composta de pavimentos de pedra calcária corroídos num padrão distinto conhecido por "Karren". Este pavimento é atravessado por enormes rachaduras conhecidas por "grykes" e o mais interessante é que por baixo deste pavimento podem encontrar-se rios e cavernas.


Aproveite e passe pela vila de Doolin e espreite o Castelo Doonagore, do século 16.
Esta torre redonda foi outrora usada como um ponto de navegação por barcos que se aproximavam do cais de Doolin.
Hoje é uma casa de férias particular, inacessível ao público e talvez por esse motivo se encontre tão bem preservada.


Bastante interessantes são as pequenas casas de telhado de palha que se vão encontrando ao longo do Condado de Clare, assim como a vasta quantidade de burros, cavalos e ovelhas que pastam por aqueles campos verdejantes e lindamente cuidados.


Ao longo da viagem observámos por várias vezes típicos montes de turf, ou seja, um composto à base de erva e lama extraído do solo num formato peculiar e que depois de seco é queimado nas lareiras de cada casa em vez da lenha que tanto estamos habituados a usar.
Este é o mais tradicional combustível irlandês usado durante os invernos para manter as casas quentes. Por isso, se visitar a Irlanda no inverno esqueça a lenha.


Continuando a nossa viagem e sem qualquer plano decidimos sair da estrada R478 e espreitar a praia Bishops Quarter.


Ficámos surpreendidos pela praia, mas, embora esta seja pequena e bonitinha o frio de inverno não a tornou mais apetecível.
Ficámos o tempo suficiente para marcar a visita a esta praia com quatro ou cinco fotos.


No que diz respeito à fauna ficámos a saber que as aves que vivem na ilha são predominantemente aves migratórias, sobretudo as que se encontram nesta zona costeira.


A nossa visita ao Condado de Clare terminou com uma breve visita às ruínas do Castelo Ballinalackan, mais um dos castelos que pertenceu também ao famoso clã irlandês, O'Connors.
Este castelo, apesar de estar em ruínas, tem imenso charme devido ao local pitoresco em que se encontra, no entanto acreditamos que na Primavera o seu encanto será ainda maior.


A nossa viagem continuou, passámos para um novo Condado, o Condado de Galway, mas apenas para matar saudades e comparar Galway de 2000 com Galway de 2011.

2 comentários:

  1. As Paisagens Irlandesas valem mesmo a pena? :)

    ResponderEliminar
  2. A cultura celta e a beleza cénica em todo o seu esplendor!

    ResponderEliminar