17 de janeiro de 2011

Birmingham, Inglaterra

Por gostarmos tanto de Mercados de Natal decidimos visitar Birmingham na época natalícia, não é que Birmingham tenha muito para ver, apesar de ser a segunda maior cidade de Inglaterra, mas achámos que o "Birmingham's Frankfurt Christmas Market", hoje considerado um acontecimento turístico e cultural, de que tanto ouvimos falar seria um bom motivo aliado ao que a cidade tem para oferecer.
Partimos de Londres, estação de autocarros Victoria Station e pela frente acompanharam-nos cerca de 3 horas de viagem até ao centro de Birmingham. Chegámos às 8h30 em ponto, precisamente quando começou a nevar.
Contentes comentámos que a neve era o cenário perfeito para aquela visita, não nos passando pela cabeça que a mesma nos viria a dar "dores de cabeça" na hora de voltar para Londres. Caminhámos em direcção ao Bullring, onde fica o contemporâneo edifício da Selfridges, uma cadeia de lojas de departamento e foi exactamente por aí que começámos a nossa visita.


Esta cadeia de lojas dispõe de 4 edifícios espalhados pela Inglaterra (Londres, Manchester, Trafford e Birmingham) e todos se tornaram destino turístico, graças à sua excelência arquitectónica.
A loja de Birmingham, projectada pela Future Systems, encontra-se coberta por 15 mil discos de alumínio, que captam a atenção de qualquer um assim que se avista a mesma.


Desde que abriu em 2003, a loja de Birmingham tem sido nomeado anualmente pela revista "Retail Week" como uma das 100 lojas para visitar no mundo.


O seu interior é elegante, no entanto em nada se compara ao interior da Selfridges em Londres, em pleno coração da Oxford Street.

Para evitar o frio atravessámos o centro comercial, ao mesmo tempo que reparávamos na decoração de Natal.


Ao sairmos do mesmo, vimos que a neve estava cada vez mais intensa, mas continuámos com uma grande vontade de fotografar cada pormenor que nos ia chamando a atenção.


Decidimos deixar para trás a zona do Bullring, devidamente representada pela estátua de um boi e seguimos em direcção ao tão desejado Mercado de Natal.


Percorremos a longa "New Street" e aí encontrámos as primeiras barraquinhas devidamente decoradas e cujos telhados começavam a ficar pintados de neve.


Pequeno vídeo com vista de 360º na New Street.

video
Embora estivesse bastante frio e a neve não desistisse de dar mostras de si, podia ver-se como adultos e crianças gozavam o momento quase único fortemente caracterizado por um pano de fundo branco, frio, mas apetecível e desejado.
Seria absurdo contar as barraquinhas, no entanto eram poucas as que tinham produtos idênticos aos das outras. A variedade era grande e as que mais gostámos foram as dos chocolates, doçarias, as de comida e bebidas típicas de Natal e, claro, as de artesanato onde as decorações de Natal se destacavam pelo vermelho vivo típico da época natalícia.


Depois desta caminhada dificultada pela neve, demos de caras com a Praça Victoria, conhecida por Victoria Square, onde se encontram alguns dos mais importantes edifícios da cidade, assim como uma estátua em homenagem à Rainha Victoria, criada em 1901 por Thomas Brock.


Certamente que Victoria Square seria mais interessante num qualquer dia de sol, afinal este espaço totalmente pedestre é o espaço que qualquer cidade gostaria de ter.
Funciona não só como ponto de encontro, mas como um espaço dedicado à família, onde a fonte, ornamentada com a famosa estátua da "The Floozie in the Jacuzzi" faz as maravilhas de todas as crianças.
Esta praça é considerada pelos habitantes locais como sendo o coração de Birmingham, onde as três principais ruas da cidade se encontram e onde o Town Hall e a Council House marcam presença.
O Town Hall, de estilo vitoriano, foi construído em 1830 e a sua criação foi inspirada no Templo de Castor e Pólux, em Roma. Nele destacam-se as 40 elegantes colunas coríntias de mármore Anglesey, fazendo quase parecer que aquele edifício não faz parte daquele local, no entanto oferecendo-lhe um brilho e tanto.


Já com os pés bem gelados decidimos fazer uma pausa no passeio, aproveitámos para tomar um café com leite bem quente, que nos chegou ao coração.


Não podíamos deixar de visitar o "Birmingham Museum and Art Gallery" situado na Praça Chamberlain, cuja entrada principal fica junto à torre do relógio, conhecida localmente como "Big Brum".


A entrada é grátis, no entanto ao longo do ano decorrem no Gas Hall exposições temporárias cuja visita poderá ser cobrada.


Este Museu e Galeria de Arte possuem um acervo de importância internacional que abrange artes plásticas, cerâmica, metalurgia, ourivesaria, arqueologia, etnografia, história local e história industrial. A Galeria de Arte é sem margem de dúvida a mais notável não só pela sua extensa colecção de pintura que varia entre o século XIV e XXI, mas também pelo ambiente do próprio espaço.


A Sala Redonda é o grande impacto, estando no centro da mesma uma estátua do Arcanjo Lúcifer e nas paredes da mesma lindos quadros como o famoso "The Champion" de Charles Lock Eastlake.


Este espaço encontra-se aberto diariamente, se decidir visitá-lo não deixe de reparar nos elegantes tectos, maioritariamente de vidro, em cada sala.


Birmingham Museum & Art Gallery click

Visitámos também a Catedral anglicana, construída em 1715, de estilo barroco dedicada a St Philip, bastante pequena e simples mas muito acolhedora. Nela estava a actuar um coro de Natal, mas pelo que ficámos a saber a tradição musical da Catedral é uma das suas maiores glórias. Não deixe de apreciar os vitrais de Burne-Jones, inspirados em artistas e cristãos.


Entrada grátis.
Colmore Row, Birmingham B3 2QB
Autocarros: 9, 21, 22, 23, 29, 103, 103A, 138, 139, 192

Para o final deixámos o famoso Edifício Rotunda, um ícone na cidade de Birmingham, com 81 metros de altura e que ali marca presença desde 1965. No entanto foi em 2008 que este espaço ganhou fama dada a remodelação feita ao mesmo pela empresa Urban Splash, que criou no 20 andar os apartamentos mais luxuosos da cidade.



Já perto da hora de regressar visitámos a Igreja de St Martim.

TOP 16 - A não perder:
1. Selfridges

2. New Street

3. Birmingham's Frankfurt Christmas Market
4. Council House em Victoria Square

5. Town Hall

6. Catedral de St Philip

7. Biblioteca Municipal na Praça Chamberlain

8. Birmingham Museum & Art Gallery em Chamberlain Square

9. Jewellery Quarter

10. Igreja de St Martin

11. Edifício Rotunda

12. Birmirgham Eye

13. Passeio de barco nos canais

14. Loja da Lego junto ao Bullring
15. Brindleyplace Square
16. Edifício Victoria Law Courts


Comer: Optámos pelo Wagamama, uma cadeia de comida Asiática e de serviço informal, uma vez que as mesas são corridas e compridas tais como numa cantina de escola.
A comida, essa, é deliciosa e preparada na hora.
O primeiro Wagamama foi criado em 1992 em Londres por Alan Yau, que veio com a sua família de Hong Kong para o Reino Unido quando tinha 12 anos de idade.
Hoje esta cadeia conta com mais de 90 espaços só no Reino Unido e marca presença em outros 15 países no mundo.


Optámos por um "chu chee chicken curry" (frango frito com abóbora em molho de caril chee chu, arroz branco decorado com manjericão tailandês, malaguetas, ervilhas de quebrar e courgettes) e por um "chicken katsu curry" (peito de frango grelhado, arroz branco coberto com molho de caril e acompanhado com vegetais e picles vermelhos).


Chegada a hora de voltar dirigimo-nos à estação de autocarros de Birmingham, no entanto fomos informados que devido ao mau tempo todos os serviços tinham sido cancelados. Claro que nos passou pela cabeça ficar por lá uma noite, mas não tínhamos qualquer garantia que haveria serviço no dia seguinte.
Procurámos a estação de comboios, onde também somos informados de iguais cancelamentos. Decidimos ir para uma fila e não hesitámos em comprar dois bilhetes caríssimos de volta para Londres, não sabendo se iria haver algum nesse mesmo dia ou no dia seguinte, mas depois de muita confusão, algum stress e falta de paciência, ouvimos um anúncio que iria partir um comboio da companhia Virgin em direcção a Londres Euston.
Claro que depois deste anúncio nem tudo foi fácil, mas conseguimos chegar a Londres antes da meia-noite.

Sem comentários:

Enviar um comentário